G20 BRASIL

Unificando temas estratégicos: reunião conjunta das Trilhas Sherpa e de Finanças

Em reunião conjunta inédita das Trilhas de Sherpas e de Finanças, com presença do presidente Lula, países-membros do G20 aproximam agenda política, social e ambiental da agenda financeira. Objetivo é que as prioridades elencadas pela presidência brasileira façam diferença real na vida das pessoas

13/12/2023 20:25 - Modificado há 3 meses
Autoridades das maiores economias do mundo na reunião conjunta das Trilhas de Sherpas e das Finanças no G20 Brasil. Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Autoridades das maiores economias do mundo na reunião conjunta das Trilhas de Sherpas e das Finanças no G20 Brasil. Foto: Audiovisual/G20 Brasil

Para que as prioridades discutidas pelos países-membros do G20 saiam do papel e façam diferença real na vida das pessoas, é fundamental que o dinheiro alcance projetos e ações de países em desenvolvimento. 

É pensando neste encontro entre projetos e financiamento, que as Trilhas de Sherpas e de Finanças do G20 iniciaram os trabalhos sob a presidência brasileira realizando, desde já, reuniões conjuntas. A proposta, inédita na história do G20, foi bem recebida pelos países-membros e dialoga com as três prioridades colocadas para o Grupo no próximo ano

São pautas urgentes, de um mundo em crise, que precisam não só de acesso imediato aos recursos financeiros já existentes, como necessitam de novos aportes - sobretudo por parte dos países desenvolvidos. A ideia é criar meios para que o dinheiro chegue na ponta com maior agilidade e facilidade aos locais mapeados e gere impactos concretos o mais rápido possível. 

"Foram muitas as declarações, notas e relatórios adotados nos últimos anos. Mas nem sempre as decisões saem do papel. A articulação entre as trilhas política e financeira que compõem o G20 será essencial para o funcionamento exitoso do grupo", pontuou o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, em declaração durante a reunião conjunta das Trilhas de Sherpas e de Finanças.

Na Trilha de Finanças, há o esforço de mobilizar recursos públicos e privados para auxiliar países emergentes, em desenvolvimento e mais pobres. A embaixadora Tatiana Rosito, coordenadora da Trilha de Finanças do G20, pontuou a necessidade de parcerias entre estados e os setores público e privado, para atrair investimentos em diferentes projetos, de transição energética e adaptação às mudanças climáticas a combate à pobreza. "A solução da dívida, por exemplo, é crucial para o desenvolvimento desses países", afirmou. 

"No caso do combate à fome e à pobreza e à desigualdade, há um acordo pleno entre os países para que este tópico avance de forma concreta", salientou o sherpa brasileiro, embaixador Mauricio Lyrio. "É uma questão urgente, que precisa de esforços globais", salientou.

Temas transversais

Os temas apresentados pela presidência brasileira como prioritários para discussões e soluções do G20, são transversais e serão discutidos e encaminhados em diferentes Grupos de Trabalho das duas trilhas. Um exemplo é o GT de Finanças Sustentáveis, parte da Trilha de Finanças, que busca promover transições para sociedades de economias mais verdes, resilientes e inclusivas, identificando barreiras institucionais a estes recursos. 

Ou o GT de Infraestrutura, também parte da Trilha de Finanças, que tem abordado como aumentar os recursos para desenvolvimento sustentável e como tornar as infraestruturas mais resilientes e inclusivas, mobilizando recursos de diversas fontes, especialmente para países em desenvolvimento e países mais vulneráveis.

Isto mostra que a agenda técnicas dos grupos de trabalho ao longo do ano serão fundamentais para a construção de consensos e propostas focadas em soluções que possam ser aplicadas imediatamente. "É inadmissível que um mundo capaz de gerar riquezas da ordem de 100 trilhões de dólares por ano conviva com a fome de mais de 735 milhões de pessoas e a pobreza de mais de 8% da população", disse Lula.

Reunião conjunta

O primeiro ciclo de reuniões do G20 Brasil começou na segunda-feira (11) e vai até sexta-feira (15), em Brasília, no Palácio Itamaraty. O encontro desta quarta-feira (13) que contou com discurso de abertura do presidente Lula, entrelaça os trabalhos das Trilhas de Sherpas e de Finanças e conta com representações de 19 países, das Uniões Africana e Europeia, bem como de vice-ministros das Finanças e vice-presidentes de bancos centrais do G20. 

Após este primeiro ciclo de alinhamentos dos trabalhos para a cúpula, que será realizada em novembro de 2024 no Rio de Janeiro, as próximas reuniões do G20 estão previstas para a segunda semana de janeiro, por videoconferência.

Outras notícias

CENÁRIO MUNDIAL

Um G20 com a cara do Brasil

1 de dezembro de 2023
Na presidência do G20, Brasil propõe, como prioritárias, agendas do Sul Global para encontro das maiores economias mundiais: combate à fome, à pobreza e à desigualdade; desenvolvimento sustentável e reforma da governança global
Leia maissobreUm G20 com a cara do Brasil
G20 BRASIL

"Precisamos de uma nova globalização que combata as disparidades”, defende Lula

13 de dezembro de 2023
Na abertura da reunião conjunta das Trilhas de Sherpas e Finanças, nesta quarta-feira (13), o presidente Lula reafirmou o enfrentamento das desigualdades e o desenvolvimento sustentável como prioridades da presidência brasileira da cúpula
Leia maissobre"Precisamos de uma nova globalização que combata as disparidades”, defende Lula
TRILHA DE FINANÇAS

Finanças Sustentáveis

30 de novembro de 2023
O Grupo de Trabalho Finanças Sustentáveis busca mobilizar finanças sustentáveis como meio de garantir o crescimento e a estabilidade globais, promovendo transições para sociedades e economias mais verdes, resilientes e inclusivas.
Leia maissobreFinanças Sustentáveis
TRILHA DE FINANÇAS

Infraestrutura

30 de novembro de 2023
O Grupo de Trabalho de Infraestrutura debate os diversos aspectos do financiamento à infraestrutura, como a identificação de instrumentos inovadores para a mobilização de recursos financeiros para investimentos, visando a disseminação destas experiências.
Leia maissobreInfraestrutura