G20 BRASIL

Sherpas apoiam propostas e prioridades apresentadas pela presidência brasileira para o G20

Sherpas de diferentes países analisam as propostas da presidência brasileira no G20 e celebram convergência com as agendas em implementação em seus respectivos países. Apoio às prioridades apresentadas foi um dos destaques da Trilha de Sherpas, no primeiro ciclo de reuniões do G20 Brasil que aconteceu entre 11 e 15/12, em Brasília

17/12/2023 16:11 - Modificado há 6 meses
Foto: Audiovisual/G20 Brasil

Cinco dias de intensos debates sobre as prioridades da presidência brasileira para o grupo que reúne as principais economias do mundo, marcaram as primeiras reuniões das Trilhas de Sherpas e de Finanças do G20. Entre 11 e 15 de dezembro, representantes dos países-membros e de oito nações convidadas estiveram reunidos, em Brasília, para dar início ao diálogo para soluções sobre redução das desigualdades; promoção do desenvolvimento sustentável e formas de lidar com as mudanças climáticas.

Zane Udien, Sherpa da África do Sul | Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Zane Udien, Sherpa da África do Sul | Foto: Audiovisual/G20 Brasil

Zane Dangor, sherpa da África do Sul, país que assumirá a presidência do grupo após o Brasil, pontuou que os países do Sul Global estão comprometidos com reforma do sistema de governança e dos bancos e instituições financeiras multilaterais. “O mundo não é mais o mesmo de 1948, o Sul Global está crescendo, a dinâmica de poder e as economias globais emergentes estão se tornando mais fortes e assertivas. Nós saímos da era da colonização. Muitas das antigas colónias são agora independentes e em crescimento. O sistema global tem que reconhecer isso para se tornar mais igualitário e acessível às necessidades de todos”, explicitou Dangor.

Henrik Harboe, Sherpa da Noruega | Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Henrik Harboe, Sherpa da Noruega | Foto: Audiovisual/G20 Brasil

“As prioridades propostas pelo Brasil são muito boas. Na Noruega, nós dividimos exatamente as mesmas prioridades em nossas política externa e de desenvolvimento. Lutar contra a fome e a pobreza é uma alta prioridade na cooperação para o desenvolvimento, assim como clima e transição energética. A reforma das Nações Unidas e dos bancos multilaterais de desenvolvimento também é muito importante”, revelou o sherpa norueguês Henrik Harboe.

Jennifer Feller, Sherpa do México | Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Jennifer Feller, Sherpa do México | Foto: Audiovisual/G20 Brasil

A sherpa mexicana, Jennifer Feller, contou que o país está animado com a presidência de um país latino-americano no G20. Feller elogiou o método de trabalho da reunião que “mais efetivo e orientado para a ação e resultados”. “Temos insistido sobre colocar os conceitos de combate à pobreza, às desigualdades e à fome como prioridades do bloco. A transição energética e os desafios que temos enfrentado, como um país emergente, para alcançar uma transição justa, sem ampliar a lacuna entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento também é uma prioridade”, considerou.

Entrada histórica da União Africana no G20

Albert Muchanga, Sherpa da União Africana | Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Albert Muchanga, Sherpa da União Africana | Foto: Audiovisual/G20 Brasil

Em  decisão histórica na cúpula de Nova Deli, em novembro deste ano, a União Africana se tornou membro permanente do G20, assim como a União Europeia, que ocupa esta posição desde a fundação do grupo. Albert Muchanga, sherpa do bloco que promove a união dos países do continente, indicou que a experiência africana no combate à desigualdade, à fome e à pobreza pode contribuir para fortalecer a proposta brasileira de Aliança Global contra a Fome e Pobreza. 

“Apoiamos completamente as prioridades apresentadas porque têm relevância direta para o continente africano. Nós precisamos embarcar na reforma das instituições políticas e financeiras globais. Todas as pautas são muito importantes e a África vai apoiar”, disse. 

Amitabh Kant, Sherpa da Índia | | Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Amitabh Kant, Sherpa da Índia | | Foto: Audiovisual/G20 Brasil

Amitabh Kant, sherpa indiano, destacou estar bastante entusiasmado com as propostas brasileiras para a transição energética e defendeu ser urgente o caminho para o uso de combustíveis limpos, energia renovável e biocombustíveis. “Apoiamos completamente a presidência brasileira e suas prioridades. Vamos trabalhar juntos para que seja bem sucedida”, enfatizou Kant.

Países convidados

Ghada Alnabusi, chefe da delegação dos Emirados Árabes Unidos |  | Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Ghada Alnabusi, chefe da delegação dos Emirados Árabes Unidos | | Foto: Audiovisual/G20 Brasil

Angola, Egito, Emirados Árabes Unidos, Espanha, Nigéria, Noruega, Portugal e Singapura foram convidados pela presidência brasileira a participarem dos debates junto com os países-membros do bloco. A criação do Grupo de Trabalho de Empoderamento de Mulheres foi celebrada pela chefe da delegação dos Emirados Árabes Unidos, Ghada Alnabulsi. “Estamos muito agradecidas pelo convite para participar como país convidado e felizes com as discussões feitas durante a reunião da Trilha de Sherpas”, disse. Como representante do país anfitrião da última Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas, a COP 28, Alnabulsi falou sobre o desejo do país de levar adiante os objetivos da conferência durante o processo do G20 e apoiar as prioridades da presidência brasileira. 

Domingos Custódio, Sherpa de Angola | Foto: Audiovisual/G20 Brasil
Domingos Custódio, Sherpa de Angola | Foto: Audiovisual/G20 Brasil

O sherpa angolano, Domingo Custódio, afirmou que a presidência brasileira trouxe uma nova perspectiva para o grupo, “que estava mais inclinado às questões macroeconômicas e do comércio, deixando as sociais um pouco de lado”, indicou. "A presidência do Brasil traz algo de novo: as questões sociais, a luta contra a pobreza e a resolução do problema da fome. Sentimos nas intervenções dos demais países um apoio à iniciativa do Brasil que nós, da Angola, também abraçamos”, celebrou Custódio.

Outras notícias

Grupos de trabalho

Trilha de Sherpas

28 de novembro de 2023
A Trilha de Sherpas é coordenada pelo Ministério das Relações Exteriores e inclui debates sobre comércio internacional e investimentos; agricultura; economia digital; energia; mudança do clima e meio-ambiente; emprego; saúde; educação; desenvolvimento sustentável, combate à corrupção, turismo e igualdade de gênero.
Leia maissobreTrilha de Sherpas
Grupos de trabalho

Trilha de Finanças

22 de novembro de 2023
Leia maissobreTrilha de Finanças
TRILHA DE SHERPAS

Força-tarefa para Aliança Global contra a Fome e a Pobreza

30 de novembro de 2023
A Força-tarefa, iniciativa proposta pela Presidência brasileira do G20, terá como objetivo estabelecer uma Aliança Global para angariar recursos e conhecimentos para a implementação de políticas públicas e tecnologias sociais comprovadamente eficazes para a redução da fome e da pobreza no mundo. A adesão à Aliança Global estará aberta não somente aos membros do G20, mas a todos os países interessados
Leia maissobreForça-tarefa para Aliança Global contra a Fome e a Pobreza
TRILHA DE SHERPAS

Força-tarefa para Mobilização Global Contra a Mudança do Clima (GMCC)

30 de novembro de 2023
A Força-tarefa para Mobilização Global contra a Mudança do Clima promoverá o diálogo de alto nível entre governos, instituições financeiras e organismos internacionais para catalisar o alinhamento macroeconômico e financeiro global no sentido de implementar os objetivos da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima e do Acordo de Paris.
Leia maissobreForça-tarefa para Mobilização Global Contra a Mudança do Clima (GMCC)