TRILHA DE FINANÇAS

Arquitetura Financeira Internacional

O Grupo de Trabalho de Arquitetura Financeira Internacional do G20 foi criado após a crise financeira global de 2008/2009. Ao longo dos anos, discutiu políticas para promover uma arquitetura financeira internacional mais estável, resiliente e equilibrada. O grupo teve papel fundamental na aprovação da reforma de quotas e voz do FMI em 2010, durante a presidência coreana. Desempenhou também papel importante no endereçamento da crise da área do euro em 2011, durante a presidência francesa.

Enquanto nos seus primeiros anos o GT focou em questões relacionadas à crise nos países avançados e trouxe ganhos para a representação e voz dos países emergentes na governança financeira global, nos últimos três anos tem orientado sua atuação no enfrentamento dos desafios desencadeados pela sucessão de choques adversos sobre os países de renda baixa e média. Durante a pandemia de Covid-19 em 2020/21, por exemplo, o GT Arquitetura Financeira Internacional coordenou discussões que aliviaram consideravelmente o peso do serviço da dívida dos países de baixa renda.

No período mais recente, o GT vem discutindo questões importantes como a otimização dos balanços dos bancos multilaterais de desenvolvimento e o papel destes enquanto sistema, a melhoria da análise e do acompanhamento dos fluxos de capitais, a gestão dos riscos decorrentes de sua volatilidade e o reforço da Rede de Segurança Financeira Global. O Brasil tem participação ativa no GT desde o início de suas atividades, com a atuação intensa e coordenada do Ministério da Fazenda e do Banco Central.