EDUCAÇÃO

Valorização de profissionais da educação é consenso no G20

Terminou, nesta terça-feira (06), a primeira reunião técnica do Grupo de Trabalho Educação. O grupo, que foi criado em 2018, este ano é coordenado pelo Ministério da Educação brasileiro e apresentou três eixos prioritários. Participaram do encontro, além dos países-membros e países convidados do G20, entidades internacionais como a Education International e o Global Student Forum.

06/02/2024 18:06 - Modificado há 23 dias
A reunião do GT contou com a participação de todos países-membros e também países convidados, além de entidades internacionais. Foto: Audiovisual/G20
A reunião do GT contou com a participação de todos países-membros e também países convidados, além de entidades internacionais. Foto: Audiovisual/G20

Valorização dos profissionais da educação; compartilhamento de material pedagógico digital sobre educação para o desenvolvimento sustentável; e o lançamento do Prêmio G20 de Engajamento Comunitário nas Escolas. Neste ano, estas são as três prioridades do Grupo de Trabalho (GT) de Educação, que finalizou sua primeira reunião técnica nesta terça-feira (06), com a participação de todos países-membros e países convidados do G20.

Ao fim da reunião, Francisco Figueiredo de Souza, assessor especial para assuntos internacionais do Ministério da Educação (MEC), e Natália Cabral, assistente para assuntos internacionais do mesmo ministério, realizaram o balanço do encontro, que avaliaram positivo e com acordo entre os países sobre as prioridades elencadas. 

Na exposição, os representantes também colocaram o propósito de tornar a instância mais próxima das representações sociais. “Para nós, o importante é que junto com os ministros da Educação a gente conte com pessoas do chão da escola, dos professores, dos docentes, para o debate não ser apenas conceitual, mas com pé no chão”, indicou Francisco.

“A qualidade da educação não vai além da qualidade do professor. Então, isso é uma das grandes razões da gente colocar esse tema em discussão, algo que congrega todos os países do G20.”

Nesse sentido, a participação de duas organizações internacionais foi salientada, da Education International, federação sindical global de sindicatos de professores composta que representa mais de 32 milhões de educadores, e o Global Student Forum, que abarca as principais entidades estudantis do mundo, representando cerca de 300 milhões de estudantes. União Nacional dos Estudantes, União Brasileira dos Estudantes Secundaristas e Associação Nacional de Pós-Graduandos, entidades estudantis brasileiras, compõem o fórum internacional. As entidades internacionais não participavam de reuniões desde 2018, quando o GT de Educação foi criado.

Sobre os eixos prioritários, Natália Cabral enfatizou a importância do G20 para discussão do tema de valorização dos e das docentes e incentivo à formação continuada destes. “A qualidade da educação não vai além da qualidade do professor. Então, isso é uma das grandes razões da gente colocar esse tema em discussão, algo que congrega todos os países do G20”, destacou ela.

Inspiração em experiências comprovadas

Quanto à questão de conteúdos pedagógicos sobre desenvolvimento sustentável, Francisco de Souza indicou que, por mais que este seja um tema recente, vem despertando a atenção internacional. “Apesar de ser um conceito relativamente novo, todos os países têm procurado de alguma maneira incorporar nos currículos. A gente tem visto que falta ainda mais compartilhamento internacional de bons materiais, porque o professor não precisa, muitas vezes, reinventar a roda. Ele pode se inspirar numa aula bem preparada em um outro contexto, mas ainda em um assunto que é global”, colocou o assessor especial.

A reunião, que começou na segunda-feira (05), contou um vídeo de abertura do ministro da Educação, Camilo Santana, que reiterou as propostas da presidência brasileira e agradeceu o apoio dos países aos tópicos apresentados. “Quando falamos juntos somos mais escutados, queremos impulsionar a agenda internacional da educação contribuindo para que ela ocupe o lugar prioritário que merece nas deliberações multilaterais”, complementou o ministro. 

Entidades como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO); a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE); o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF); o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID); o Banco Mundial; a Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI) também participaram das reunião.

Próximas reuniões

Além desta reunião, haverá outras três reuniões técnicas do GT de Educação, toas presenciais: uma em maio, que acontecerá em Brasília (DF); outra em julho, na cidade do Rio de Janeiro (RJ); e a última em outubro, que será realizada em Fortaleza (CE), imediatamente antes da reunião de ministros da Educação.  ‘