ARQUITETURA FINANCEIRA INTERNACIONAL

Bancos Multilaterais de Desenvolvimento aprofundam colaboração para funcionar como um sistema

21/04/2024 10:20 - Modificado há 2 meses
Cooperação internacional entre os Bancos Multilaterais de Desenvolvimento é proposta discutida em GT do G20 | Foto: Sergio Gonzales/BID

Os líderes de 10 Bancos Multilaterais de Desenvolvimento (MDBs, na sigla em inglês) anunciaram hoje medidas conjuntas para trabalhar de forma mais eficaz como um sistema e aumentar o impacto e a escala do seu trabalho para enfrentar desafios urgentes de desenvolvimento. Medida é parte das prioridades da presidência brasileira do G20, discutidas no grupo de trabalho sobre Arquitetura Financeira Internacional, da Trilha de Finanças

Em uma nota, os líderes delinearam os principais resultados para uma ação conjunta e coordenada em 2024 e além, com base no progresso desde a declaração de Marrakesh em 2023, à medida que as suas instituições trabalham para acelerar o progresso em direção aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e para apoiar melhor os clientes na abordagem dos desafios regionais e globais.

Publicadas na conclusão de um retiro organizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que detém a presidência rotativa do Grupo de Líderes dos MDBs, as ações listadas representam o fortalecimento da colaboração entre os MDBs. A nota também servirá também como uma contribuição valiosa para o próximo Roteiro do G20 para transformar os MDBs em um sistema “melhor, maior e mais eficaz”, além de outros fóruns.

Resultados concretos e viáveis em cinco áreas críticas:  

1. Aumentar a capacidade de financiamento dos MDBs. Os MDBs esperam gerar uma margem adicional para empréstimos na ordem dos 300 bilhões a 400 bilhões de dólares durante a próxima década, com o apoio de acionistas e parceiros. As ações incluem:

  •  - Oferecer um conjunto diversificado de instrumentos financeiros inovadores aos acionistas, aos parceiros de desenvolvimento e ao mercado de capitais, incluindo instrumentos híbridos de capital e de transferência de risco, e promover a canalização dos Direitos de  - Saque Especiais (SDRs, na sigla em inglês) do FMI através dos MDBs.

 - Fornecer mais clareza sobre o capital exigível, o que ajudaria as agências de classificação a avaliar melhor o valor do capital exigível.

 - Continuar a implementar e apresentar relatórios sobre as recomendações de Revisão do Quadro de Adequação de Capital (CAF) do G20 e as reformas relacionadas.

2. Impulsionar a ação conjunta para as mudanças climáticas. Os MDBs Os BMD estão aumentando o seu envolvimento comum no tema climático. As ações incluem:   

 - Apresentar a primeira abordagem comum para medir os resultados climáticos em matéria de adaptação e mitigação (disponível em inglês).

 - Continuar a alinhar as operações com os objetivos do Acordo de Paris e a apresentar relatórios conjuntos sobre o financiamento climático, bem como a participar no processo liderado pela ONU rumo a um novo objetivo coletivo sobre o financiamento climático.

 - Continuar a apoiar e melhorar os sistemas de alerta precoce para catástrofes naturais.  

3. Reforçar a colaboração e o cofinanciamento em nível nacional. Os MDBs estão envolvidos em discussões e apoiando plataformas pertencentes e lideradas pelos países para facilitar o trabalho dos países com os bancos. As ações incluem:    

 - Avaliar propostas sobre plataformas lideradas e pertencentes aos países, rumo a um entendimento comum e aos próximos passos, incluindo a implementação de plataformas por alguns MDBs.

 - Continuar harmonizando as práticas de compras, inclusive confiando nas políticas de compras uns dos outros para reduzir custos de transação e aumentar a eficiência e a sustentabilidade.    

 - Acelerar o cofinanciamento de projetos do setor público com o recém-lançado Portal de Cofinanciamento Colaborativo.  

4. Catalizar a mobilização do setor privado. Os MDBs estão empenhados em aumentar o financiamento do setor privado para os objetivos de desenvolvimento, nomeadamente através da busca de abordagens e instrumentos financeiros inovadores. As ações incluem:  

 - Aumentar os empréstimos em moeda local e as soluções de cobertura cambial para impulsionar o investimento privado. Os MDBs estão trabalhando para identificar abordagens com maior escala.  

 - Expandir o tipo e a desagregação das estatísticas que os MDBs e as Instituições Financeiras de Desenvolvimento (IFD) divulgam via o Consórcio Global de Base de Dados de Risco dos Mercados Emergentes (GEM), apoiando os investidores a avaliar melhor os riscos e oportunidades de investimento.  

5. Melhorar a eficácia e o impacto do desenvolvimento. Os MDBs concordaram em aumentar o foco no impacto do seu trabalho. As ações incluem:  

 - Aumentar a colaboração em avaliações de impacto conjuntas, notadamente com abordagens compartilhadas para monitorizar e avaliar o impacto, e prosseguir iniciativas de harmonização, sempre que isso seja útil.  

 - Fazer um balanço dos principais indicadores de desempenho (KPI) sobre a natureza e a biodiversidade que estão atualmente em uso e explorar a viabilidade do alinhamento de alguns indicadores antes da COP30 em 2025.  

Para mais detalhes veja o Viewpoint Note.  

Com informações do BID.